Vida Literária II
Powered by WebRing.


 
 

GUSTAV KLIMT

 

 

reprodução

  

O Beijo, de Gustav Klimt

 

 



Categoria: Imagens
Escrito por marciliodemedeiros �s 20:06
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ] [ ]




 
 

J. V. CUNNINGHAM

 

 

 

 

AMOR NADA ROMÂNTICO

 

            J. V. Cunningham

 

Neste bosque não há calmaria.

A calma nesta clareira

Nega, à sua maneira,

Os sons que me devia.

 

Na clareira, nenhuma doce aparência:

A torre solar revelando

Tantos andaimes, vai roubando

A sombra em sua essência.

 

Só meu amor é o amor ideal.”

O amor que achei pervagante

Nestes recantos é amor sem amante,

É o irreal,

 

Inescrutado, indefinido,

Inabsoluto plural;

Antítese de seu igual

Em nenhum outro contido.

 

Tradução de Jorge Wanderley

 

 



Categoria: Interseções
Escrito por marciliodemedeiros �s 20:02
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ] [ ]




 
 

AUDIÊNCIA PÚBLICA: BURLE MARX

 

 

A Comissão de Desenvolvimento Econômico da Câmara Municipal do Recife convocou a Audiência Pública “Burle Marx, um patrimônio do Recife a ser preservado”. O objetivo é discutir a situação das praças projetadas por um dos maiores paisagistas do século XX, que iniciou sua carreira no Recife e deixou um legado de grande valor para a cidade, dotando-a dos primeiros jardins públicos de natureza ecológica no Brasil, e cujo centenário será comemorado este ano.

 

Roberto Burle Marx nasceu em São Paulo no dia 4 de agosto de 1009, mas sua mãe era pernambucana. Iniciou sua carreira na cidade do Recife na década de 30, como chefe do Setor de Parques do Governo do Estado de Pernambuco.

 

Está em fase de finalização o inventário de seis jardins projetados no Recife entre 1935 e 1958: Praça de Casa Forte, Praça Euclides da Cunha, Praça do Derby, Praça da República e Jardim do Campo das Princesas, Praça Faria Neves e Praça Salgado Filho.

 

Este trabalho está sendo elaborado pelo Laboratório da Paisagem da UFPE e Prefeitura do Recife. Com esse material, o IPHAN poderá encaminhar o tombamento do conjunto dos jardins.

 

 



Categoria: Cultura Sempre
Escrito por marciliodemedeiros �s 19:46
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ] [ ]




 
 

STAND UP LITERATURA

 

 

Programa quinzenal, com uma hora de duração, transmitido ao vivo pela TV Cronópios www.cronopios.com.br

 

O programa é uma adaptação para a literatura do gênero de comédia muito em voga nos EUA, o Stand UP Comedy. Contará com um convidado por programa, que lerá seus textos "em pé" diante de uma platéia e com transmissão ao vivo pela Internet. O público participa no local e também por meio de chat.

 

A convidada do próximo programa é a poeta Andréa del Fuego, autora da trilogia de contos Minto enquanto posso, Nego tudo e Engano seu (projeto contemplado com a bolsa de incentivo à criação literária da Secretaria do Estado de São Paulo) e dos juvenis Sociedade da Caveira de Cristal e Quase caio; integra as antologias: Os Cem Menores Contos Brasileiros do Século, 30 Mulheres que Estão Fazendo a Nova Literatura Brasileira, Capitu mandou flores (Geração Editorial, 2008), entre outras. É graduanda em Filosofia na PUC-SP e mantém o blog www.delfuego.zip.net  

 

Data: 17/05 - domingo

Local: Av. Paulista, 509 - Cerqueira César - Tel.: 2167-9900

Horário: 15h

Poeta convidada: Andrea del Fuego

 

 



Categoria: Cultura Sempre
Escrito por marciliodemedeiros �s 19:33
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ] [ ]




 
 

GUSTAV KLIMT

 

 

reprodução

 

 

Meio-friso de Beethoven, de Gustav Klimt

 



Categoria: Imagens
Escrito por marciliodemedeiros �s 15:56
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ] [ ]




 
 

DYLAN THOMAS I

 

POEMA EM SEU ANIVERSÁRIO

 

            Dylan Thomas

 

No sol cor semente de mostarda

Junto ao caudaloso rio em declive e o ziguezague do mar

Onde correm os corvos-marinhos,

Em sua casa sobre estacas, entre os bicos

E o palavrório dos pássaros

Nesse dia como grão de areia na tumba arqueada da baía,

Ele celebra e desdenha

Seus trinta e cinco anos de despojos que o vento amadureceu;

As garças se aguçam e chuçam.

 

Abaixo e à sua volta fluem

Os linguados, as gaivotas, em suas frias e agônicas trilhas,

Cumprindo o que disseram,

Ruidosos maçaricos nas ondas apinhadas de moréias

Mourejam em seus caminhos para a morte,

E o poeta no quarto de esguia língua ferina,

Que tange o sino de seu aniversário,

Se esfalfa em direção à tocaia de suas chagas;

As garças, agulhas em riste, o abençoam.

 

No outono dos cardos,

Ele canta para a angústia; os tentilhões voam

Entre os rastros afiados dos falcões

Num céu de rapina; deslizam peixes miúdos

Pelas vielas e as conchas de cidades

Afogadas de barcos até os pastos de lontras submarinas.

Em sua oblíqua casa de suplícios

E nas puídas espirais de seu ofício, ele percebe

As garças que caminham em seu sudário.

 

A túnica infindável do rio

De vairões se tece ao redor de suas preces;

E lá longe, no mar, ele conhece

Aquele que escraviza o seu fim genuflexo

Sob uma nuvem de serpentes,

Mergulham golfinhos na poeira dos naufrágios,

As rugosas focas arremetem

Para matar e sua própria maré untada de sangue

Resvala suavemente em sua boca macia.

 

Num silêncio de onda, cavernoso

E oscilante, choram os alvos dobres do ângelus.

Trinta e cinco sinos brandiram seu repique

Sobre o crânio e a cicatriz onde jazem seus amores em ruínas,

Guiados por estrelas cadentes.

E o amanhã soluça numa jaula cega

Que o terror enfurecido há de isolar

Até que os grilhões se quebrem sob martelos em chamas

E o amor dilacere as trevas

 

E em liberdade ele se perca

Na famosa luz desconhecida do grande

E fabuloso Deus amado.

A treva é um caminho e a luz um lugar,

O céu que nunca existiu

Nem existirá jamais é sempre verdadeiro,

E, nesse espinhoso vazio,

Farto de amoras em seus bosques,

Os mortos crescem para o Seu júbilo.

 

Tradução de Ivan Junqueira

 

Continua... 

 

 



Categoria: Interseções
Escrito por marciliodemedeiros �s 15:53
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ] [ ]




 
 

DYLAN THOMAS II

 

POEMA EM SEU ANIVERSÁRIO (Continuação)

 

            Dylan Thomas

  

Ali, desnudo, ele erraria

Com os espíritos da baía que se curva em ferradura

Ou os mortos na praia de estrelas,

Com a medula das águias, as raízes das baleias

E a fúrcula dos gansos selvagens,

Com o Deus abençoado que jamais nasceu e o Seu Espírito,

E com cada alma Seu sacerdote,

Enganada e cantante na jovem dobra do Céu,

Junto à trêmula paz das nuvens.

 

Mas a treva é um longo caminho.

Ele, sobre a terra da noite, a sós

Com tudo o que vive, reza,

Ele, consciente de que o vento faiscante há de soprar,

Lançando os ossos para além das colinas,

E que as pedras feridas à foice hão de sangrar, e as últimas

Águas despedaçadas pelo ódio hão de arremessar

Os mastros e os peixes às silenciosas estrelas vivas,

Sem nenhuma fé até Aquele

 

Que é a luz do velho e aéreo

Céu, onde as almas crescem selvagens

Como cavalos na espuma:

Oh, enluta-me na metade da vida junto às relíquias

E aos juramentos das garças-druidas

Durante a viagem que terei de fazer até a ruína,

Entre barcos desvalidos e encalhados;

Ainda que eu grite, todavia, com a língua quase a cair,

E conte em voz alta as minhas chagas:

 

Quatro são os elementos e cinco

Os sentidos, e o homem uma alma enamorada

Que se enreda através dessa lama rodopiante

Até chegar ao seu reino frio, coroado de sinos

E de enluaradas cúpulas perdidas,

E o mar que oculta suas secretas criaturas

Nas profundezas de seus negros ossos abjetos,

Acalanto de astros na carne calcária do mar,

E essa Suprema bênção derradeira,

 

Pois quanto mais caminho

Para a morte, um homem com os cascos gretados,

Mais sonoro o sol floresce

E o mar confuso e esquartejado exulta;

E cada onda no caminho

E cada vendaval que enfrento, e todo o mundo então,

Com a fé mais triunfante

Do que nunca desde que se proclamou o mundo,

Faz girar sua manhã de louvores,

 

Ouço as colinas ondulantes

Inflar-se de cotovias e reverdecer no outono

Turvo de amoras, e as cotovias do orvalho cantam

Mais alto que essa primavera trovejante

E as ferozes ilhas de alma humana

Quanto mais próximas dos anjos flutuam!

Oh, seus olhos tornam-se então mais sagrados

E meus homens cintilantes não estão sós

Enquanto eu navego para a morte.

 

Tradução de Ivan Junqueira



Categoria: Interseções
Escrito por marciliodemedeiros �s 15:49
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ] [ ]




 
 

ANIVERSÁRIO

 

Hoje, é meu aniversário e faz um ano do início deste blog.

 

Neste período, Vida Literária I e II somaram cerca de vinte mil acessos.

 



Categoria: Vida Literária
Escrito por marciliodemedeiros �s 15:43
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ] [ ]




 
 

ENCONTRO DE ARTE

 

Começou ontem o Encontro de Arte Vicente do Rego Monteiro: entre a pintura e a poesia.

 

A programação é a seguinte:

 

05/05 – Modernismo Brasileiro

12/05 – Paris e suas influências

19/05 – Mitologia, Religião e Trabalho

26/05 – Pintura e Poesia

 

A promoção é da Calibán Editora e da Livraria Saraiva, e ministrante é Karla Melo, com participação especial de Patrícia Tenório.

 

SERVIÇO

 

Data: 05, 12, 19 e 26 de maio de 2009, terças-feiras.

Horário: das 17 às 19h

Local: Livraria Saraiva Mega Store – Espaço Manuel Bandeira

Shopping Center Recife

Informações e inscrições: (81) 3361-4277 e 9403-7595

e-mail melokarla@yahoo.com.br

 



Categoria: Cultura Sempre
Escrito por marciliodemedeiros �s 15:42
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ] [ ]




 
 

GUSTAV KLIMT

  

reprodução

 

 

A Virgem, de Gustav Klimt

 



Categoria: Imagens
Escrito por marciliodemedeiros �s 18:00
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ] [ ]




 
 

DENISE LEVERTOV

 

AH PROVEM E VEJAM

 

               Denise Levertov

 

O mundo não está

conosco o bastante

Ah Provem e Vejam

dizia o pôster bíblico no metrô,

implicando o Senhor, implicando

cada coisa no tudo que vive

para o sabor da imaginação,

mágoa, mercê, tangerina, temperatura,

respirá-las, morder,

saber, mascar, engolir, transformar

em nossa carne nossas

mortes, atravessar a rua, ameixa, marmelo

vivendo no pomar e tendo

fome, e colhendo

a fruta.

 

Tradução de Ruy Vasconcelos

 



Categoria: Interseções
Escrito por marciliodemedeiros �s 17:57
[   ] [ envie esta mensagem ] [ ] [ ]


[ p�gina principal ] [ ver mensagens anteriores ]


 



Meu perfil
BRASIL, Homem, Portuguese, English, Arte e cultura, Livros

Central Blogs

Meu blogue Liras, Musas & Aedos

Visit the Widget Gallery

Meu blogue Vida Liter�ria I

Visit the Widget Gallery

Hist�rico
Categorias
  Todas as Categorias
  Fala, poesia!
  Cultura Sempre
  Vida Literária
  Interseções
  Imagens
Outros sites
  Liras, Musas & Aedos
  Vida Literária por Marcilio Medeiros I
  Marcilio Medeiros myspace
  Notícias de Cultura
  UOL - O melhor conteúdo
  Interpoética
  Germina - Revista de Literatura
  Correio das Artes
  Garganta da Serpente
  Revista A Cigarra
  Nós Pós
  Agulha - Revista de Cultura
  Claudio Daniel Cantar a Pele de Lontra IV
  Djanira Silva
  Linaldo Guedes Zumbi escutando blues
  Nydia Bonetti Longitudes
  Sabugilândia
  À Flor da Terra
  Jorge Vicente Amoralva
  Ana Carla Vannucchi
  Poema/Processo 1967
  Moacy Cirne Balario Porreta 1986
  Lau Siqueira Poesia Sim
  Recalcitrante por Meg
  Franklin Jorge
  Marcelino Freire eraOdito
  Micheliny Verunschk Ovelha Pop
  Alexandre Melo
  Eunice Duarte
  Xico Sá o carapuceiro
  Renata Nassif Fênix
  Romério Rômulo
  Rafael Coelho
  Juliana Meira Tem Poema
  Elza Fraga Tempo in-verso
  Mariana Botelho Suave Coisa
  Portal Cronópios Literatura e Arte
  Revista Modo de Usar & Co.
  Revista Zunái
  UBE-PE
  Frederico Barbosa
  Ademir Assunção Espelunca
  Rodrigo Garcia Lopes Estúdio Realidade
  Virna Teixeira Papel de Rascunho
  Wilson Nanini Quebrantos...
  Andréa del Fuego
  Fabiano Calixto Almondegário
  Marcelo Ariel Teatrofantasma
  Antonio Cicero Acontecimentos
  Dirceu Villa O Demônio Amarelo
  Ricardo Aleixo jaguadarte
  Carlos Augusto Lima
  Ricardo Corona Zaúm
  valéria tarelho textura
  Sebo Vermelho
Vota��o
  D� uma nota para meu blog


Digite seu e-mail:

Delivered by FeedBurner

Faça a inscrição no meu feed

Add to Technorati Favorites


Exibir minha p�gina em Verso e Prosa
This site is a member of WebRing.
To browse visit Here.